Greenk Redação
5 de julho de 2017 - 16h44

Estamos em julho e, com isso, oficialmente, o primeiro semestre de 2017 chegou ao fim. Os primeiros seis meses do ano foram atipicamente recheados de jogaços, com obras-primas para todos os gêneros e plataformas.

 

 

O PlayStation 4 começou o ano com o pé na porta, emendando exclusivos de peso, enquanto a Nintendo trouxe experiências memoráveis já no primeiro mês do Switch, seu mais novo console.

 

 

Com um primeiro semestre de tão alto nível, fomos mais criteriosos para selecionar os melhores jogos do ano até agora e chegamos a cinco títulos, mas temos ciência de que o ano teve excelentes experiências.

 

 

Resident Evil 7

 

 

 

 

Muitos fãs torceram o nariz para a mudança de perspectiva para a primeira pessoa e uma história sem muitos vínculos aparentes com os demais jogos, mas Resident Evil 7 reacendeu o interesse em uma franquia combalida da melhor forma possível: inovando na apresentação e mantendo fidelidade nos conceitos mais básicos de gameplay. O resultado foi um jogo que te mantém apreensivo e acuado como há muito tempo não se via em Resident Evil. (Bruno Silva)

 

 

Disponível para: PlayStation 4, Xbox One, PC

 

 

Horizon Zero Dawn

 

 

 

“Risco” é talvez a palavra mais associada a esta nova propriedade intelectual da Sony, mas as recompensas certamente valeram a pena. A ambientação extremamente criativa de bolada pela Guerrilla Games (que, aliás, entrou para o time nível A das grandes produtoras com essa empreitada), que une o lado primitivo e tecnológico de forma tão única, rendeu a Horizon Zero Dawn um mundo fascinante de explorar sob a pele da corajosa Aloy. (Bruno Silva)

 

 

Disponível para: PlayStation 4

 
The Legend of Zelda: Breath of the Wild

 

 

 

Todo Legend of Zelda é olhado com carinho admiração pela indústria, e Breath of the Wild explica o porquê. O título de estreia do Switch (e de despedida do Wii U) tem conceitos que devem mudar o gênero de mundo aberto daqui pra frente. A Hyrule selvagem desbravada por Link nesta aventura se tornou dos mundos mais memoráveis dos últimos anos justamente por dar ao jogador liberdade extrema, em uma trama totalmente não-linear, que dá espaço para você criar suas próprias histórias. (Bruno Silva)

 

 

Disponível para: Nintendo Switch e Wii U

 

NieR: Automata

 

 

NieR: Automata é um jogo estranho. Ele demanda ser zerado pelo menos cinco vezes para ser completamente compreendido. Yoko Taro e sua equipe da Platinum Games não estão interessados em contar uma história convencional, e para tal, criaram um jogo não convencional, que junta uma gêneros e minigames inusitados. Cheio de personalidade e com humor de primeira, NieR: Automata explora questões sobre inteligência artificial e a natureza humanas de maneira primorosa. (Guilherme Jacobs)

 

 

Disponível para: PlayStation 4 e PC

 

 

Persona 5

 

 

 

Persona 5 só funciona como um jogo. Se a Atlus um dia fizer uma adaptação para anime, por exemplo, ele perderá boa parte do que o torna especial. Isso acontece porque Persona 5 consegue mesclar história com gameplay como poucos. Jogando, você conta a história, cultiva amizades e desenvolve os personagens. A agência do jogador é presente em todos os núcleos narrativos. Com isso, a conexão com os personagens e com o mundo fica tão boa quanto a trilha sonora fantástica. (Guilherme Jacobs)

 

 

Disponível para: PlayStation 4 e PlayStation 3

 

 

 

Fonte: The Enemy

 

 

Compartilhe

  • Temas

  • games
  • sustentabilidade
  • economia circular
  • e-lixo
  • esl
  • e-sport
  • drones
  • drone zone
  • cosplay
  • cosplaybr
  • mirante lab
  • arena do conhecimento
  • editora abril
  • palestra
  • influenciadores
  • youtube
  • greenktechshow
  • bienaldoibirapuera
  • musica
  • video
  • hit
  • desafio
  • beyou
  • terror
  • Cineclick
  • O Iluminado
  • A Autópsia
  • Os Outros
  • Silent Hill

Comente

“Greenk informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de Greenk gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”