Tecnologia

No futuro, você poderá contratar um ‘Uber humano’ para se passar por você


O conceito do designer japonês Jun Rekimoto foi apresentado na EmTech de Cingapura, nesta semana, e já está sendo chamado de “Uber humano”. Com ele, você contrataria uma pessoa para ir a qualquer evento em seu lugar. O diferencial é que o contratado não mostraria a própria cara, usando um tablet ligado a um aplicativo tipo o FaceTime com ligação direta com você.

Além disso, o contratado não teria voz, sendo apenas um ser caminhante seguindo as ordens que você dá. Você poderia conversar com os outros através do microfone e dos autofalantes, além de decidir o trajeto que o seu “corpo postiço” faria. É como se um médium encarnasse outra pessoa viva ao invés de invocar o espírito dos já desencarnados.

“Este projeto é baseado na hipótese de que a telepresença física e social pode ser incorporada por um humano substituto que imite o usuário remoto”, explica o site oficial do ChameleonMask. Já imaginou se a moda pega? O site ainda diz que é possível mandar o “Uber humano” fingir que é você em eventos escolares ou em qualquer outro lugar que você não queira ou não possa ir.

A telepresença já foi mostrada anteriormente, inclusive pela série “The Big Bang Theory”, mas, nesses casos, a “mula de carga” era um robô que carregava o iPad com o rosto do usuário. Deixando a novidade mais “humana”, a situação poderia ser muito mais natural e fácil de ser encarada pelos outros. Será?

Fonte: TecMundo

Posts Relacionados
Adobe mostra como inteligência artificial e machine learning irão revolucionar o marketing
Olheiro digital: aplicativo permite cadastro de modelos pelo smartphone
Painel solta fumaça branca para divulgar série “The Young Pope”

Comente

“Greenk informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de Greenk gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”